O meu encontro com João de Deus – Parte II

Abadiânia vive economicamente em torno de John of God, e a horda esbranquiçada marcha rumo à liturgia espiritual

EM VISÃO PERIFÉRICA, POR VINICIUS CANOVA

Porto Velho, RO – Meu pai pegou um voo para Porto Alegre na reta final de junho de 2016 a fim de que retornássemos juntos de carro para Rondônia revezando o volante desta feita, o que não ocorreu na ida, lá atrás, em dezembro do ano anterior, porque meu tio não tinha nem tem condições de dirigir.

LEIA TAMBÉM

Ufa!

Ele, tão ou mais cético do que eu, aceitou sem resistência passar em Abadiânia na volta ao perceber que o filho debilitado, mais magro do que jamais estivera, peidado da cabeça e sem a mínima condição de pensar racionalmente, precisava daquilo.

Chegamos à cidade de João de Deus no entardecer do dia 21 de junho, segundo dia da travessia de volta; porém, eu só seria atendido pela entidade no dia seguinte, uma quarta-feira (22).

Enquanto isso, largamos as tralhas na pousada situada à mesma ruela de chão batido onde fica a Casa de Dom Inácio de Loyola, o hospital espiritual do homem que até hoje é visto como expressão sacrossanta em carne e osso.

Aliás, a pequena rua nos pareceu, logo de cara, a espinha dorsal econômica da cidade, já que a intensa movimentação de brasileiros e estrangeiros faz com que o dinheiro circule através do grande número de comerciantes estabelecidos ao longo da estradinha, sem contar hotéis, pousadas, restaurantes e lanchonetes.

O fluxo que perambula por ali destoa completamente a outros pontos do município em que observamos trafegando pela rodovia ainda no perímetro urbano, antes de aportarmos. Isso justifica o receio dos habitantes ao pensar que João de Deus, já na casa dos 76 anos, possa bater as botas a qualquer momento, levando com ele seus respectivos vertedouros financeiros.    

Naquela região minúscula, as pessoas andam de branco dos pés à cabeça; não é exatamente uma exigência de João de Deus, mas a Casa aconselha o uso da indumentária completamente esbranquiçada para que a energia circule melhor pelo corpo – seja lá o que isso signifique.

Comprar a vestimenta nas lojinhas do entorno também faz parte do ritual turístico; se você levar calças e camisetas de casa, me disse uma senhora muito gentil hospedada ao lado da pousada em que ficamos, e já era sua quarta passagem por Abadiânia, não terá a oportunidade de se contaminar com a energia nativa, que já está ali em todas as coisas justamente por conta da presença dos espíritos hipoteticamente atuando através de John.

Como disse anteriormente, estava disposto a fazer as coisas exatamente da forma como determinava o figurino, pois naquela altura do campeonato o desespero era maior que qualquer senso do ridículo.

Devidamente vestidos de capoeiristas – sem ginga e berimbau – regressamos aos nossos aposentos para descansar: com isso, dormimos e roncamos como nunca.


Sentado na cama da pousada em Abadiânia, devidamente trajado para o encontro com John of God; à época, havia em minha composição estrutural mais cabeça do que corpo

Chegou, então, o grande dia. Era hora da verdade, de me encontrar com o sacerdote da cura e suas entidades sortidas. Como são mais de trinta que ele diz incorporar, não é possível saber quem irá nos atender na hora h.

A partir de agora o que vou relatar adiante é fruto de um esforço descomunal de memória corroborado por mensagens de WhatsApp e e-mails trocados à ocasião. Lembrem-se: eu fui até lá como paciente, digamos assim, não como jornalista. Portanto, não fiz entrevistas nem anotações.

De manhã cedo, naquela quarta-feira, mal colocamos os pés para fora e já nos deparamos com uma imensa peregrinação que cobria praticamente a extensão inteira da rua. A horda branca marchava pontualmente, dentro do horário marcado, de encontro ao processo litúrgico imposto aos visitantes.

Meu velho e eu encorpamos a marcha.

CONTINUA NA PARTE III

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s